9/19/2019

MOSCA AZUL



Descoberto há pouco no Brasil
um mosquito capaz
de emitir uma forte luz azul.

De dentro da Mata Atlântica
esse é a primeira espécie
na América do Sul, onde só há
as que emitem as cores
verde, amarelo e vermelho.

Cientistas brasileiros
abrem caminho para novas pesquisas,
tão dificultadas ultimamente.
São novas cintilações
que teimam em aparecer
em florestas que soem ser tão ricas,
mas tão ignoradas por alguns,
mordidos por outra mosca azul...

18-09-2019

9/10/2019

BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO 2019 - Rio de Janeiro


Fui surpreendido com o número de visitantes à Bienal no dia 8.9.2019 e também com a multiplicidade de eventos simultâneos. Lançamentos de livros, palestras abertas ao público, participação popular, protestos contra a censura, encontros com autores e professores e artistas, enfim uma surpresa e tanto para mim que não sabia que o interesse pelo livro e pela cultura fosse tão intenso atualmente.
Tivemos até dificuldade em percorrer os estandes tal a quantidade de pessoas. Pude constatar afinal que o produto livro não está em decadência, pelo contrário. O que há é uma certa desorientação sobre o que interessa mais, o que vale mais naquele mundo de papéis e tintas. O povo está muito sedento de saber, de conhecer, de entender o mundo, e o livro ainda é a maior fonte de sabedoria que conhecemos.
Nas fotos, momentos que pudemos registrar do ambiente e, em particular, dos palestrantes do evento sobre "Poesia Visual" do qual participei com muito gosto.


Na foto, os poetas Tchello de Barros (poeta-organizador), Marco Oliveira (norte-americano/brasileiro), eu, Eric Collette (francês), e Cesar Carvalho (brasileiro).







9/02/2019

BIENAL DO LIVRO DO RIO DE JANEIRO - 2019


14ª MESA-REDONDA “POESIA VISUAL CONTEMPORÂNEA”

Prezado poeta Joaquim Branco,

Temos a honra de convidar-lhe para participar como palestrante da 14ª Mesa-redonda
“Poesia Visual Contemporânea”, na Bienal do Livro 2019 do Rio de Janeiro (RJ).
………………………………………………………
Sessão: Mesa-redonda
Tema: “Poesia Visual Contemporânea”
Dia: 08.Set.2019 as 18:30 h
Local: Estande de Niterói – Estande C70 - Pavilhão
Laranja na Bienal do Livro do Rio de Janeiro (RJ) 2019
Tempo de sua fala: Até 15 min.
Curadoria/Mediação: Tchello d’Barros
Realização: Coord. de Promoção da Leitura/ SME/ FME
………………………………………………………
Solicitamos sua confirmação do aceite deste convite, se possível respondendo este e-mail tão logo possível (preferencialmente até o próximo dia 02.Set.2019). Para realizarmos a divulgação, pedimos a gentileza de nos enviar no e-mail de resposta, uma fotografia sua; uma autoapresentação de cerca de 5 linhas sobre sua atuação cultural, acadêmica e/ou institucional; entre 1 e 3 tópicos que pretende abordar em sua fala. Nas exposições verbais, não serão projetadas imagens. Após a mesa-redonda poderá haver sessão de perguntas da plateia. Não há pró-labore ou custeio de despesas, pois o projeto não conta com patrocínios. Haverá um certificado aos escritores participantes da mesa- redonda.

Agradeço desde já sua atenção e em caso de aceite, sua valiosa participação. Estou a disposição para quaisquer dúvidas e orientações.
Tchello d’Barros – Curador do Ciclo de Mesas-Redondas
(21) 9 8354 1978 tchellodbarros@yahoo.com.br
Rio de Janeiro (RJ)
P. S. 01: Link da Bienal p/ autores cadastrarem-se e receberem o direito à entrada gratuita: https://www.bienaldolivro.com.br/visitantes/
P. S. 02: Sua abordagem sobre o tema é absolutamente livre. Compartilhamos abaixo um texto apenas conceitual que tem norteado esse ciclo de mesas-redondas:

Quais os lugares da Poesia Visual na contemporaneidade? Onde situar essa produção geralmente experimental, numa era onde somos cotidianamente expostos por turbilhões de imagens da indústria cultural em nossa sociedade de massa? O poema visual, sendo um sobrevivente de nossa turbulenta passagem para a pós-modernidade, abriu seu espaço na era digital, cruzou a linha do novo milênio e chegou aos nossos dias reinventando-se sempre mais, transgressor, crítico e político. E não veio apenas para ficar, mas para ampliar seu arco temático, seja pela crítica mordaz nas abordagens dos grandes temas da humanidade, desde tensões geopolíticas, desníveis socioeconômicos, passando pelas relações humanas, até aspectos inusitados do cotidiano. Num período onde a Poesia Visual já consolida seu legado em livros didáticos e conquista espaço em ementas de cursos de Literatura, pesquisas acadêmicas e até mesmo no colecionismo do mercado de arte, este encontro parte do princípio de que realizar exposições, publicações e provocar discussões podem também ser formas de oportunizar mais opções de acesso à Poesia Visual, seja para quem quer alimentar esse sistema com suas criações, seja para quem aprecia ler-ver a Poesia Visual ou deseja conhecer um pouco mais desta vertente que já é praticada em todos os continentes. Nosso mote maior tem sido conversar sobre como está hoje a Poesia Visual brasileira e quais seus possíveis encaminhamentos.
Obs.: As mesas-redondas do ciclo “Poesia Visual Contemporânea” contam com participação principalmente de autores mas também de editores, curadores, gestores culturais, professores universitários, críticos literários e pesquisadores. Já foram realizadas em instituições culturais como: Museu da Imagem e do Som – MISA (Maceió, AL); Congresso Brasileiro de Poesia (Bento Gonçalves, RS); Fundação Cultural de Blumenau – FCB (Blumenau, SC); IFPA (Belém, PA); Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB, Centro Cultural Justiça Federal - CCJF (Rio de Janeiro, RJ); Fundação Cultural Gregório de Matos (Salvador, BA) e nas universidades UFRJ, FACHA, Unicarioca (Rio de Janeiro, RJ), Biblioteca Pública Estadual (Belo Horionte, RJ), entre outras, por enquanto.


Release - 14ª MESA-REDONDA “POESIA VISUAL CONTEMPORÂNEA”

Acontece na programação da XIX Bienal do Livro do Rio de Janeiro, em 08 de setembro de 2019 - a 14ª mesa-redonda “Poesia Visual Contemporânea”. Além dos palestrantes desta edição, os poetas visuais Artur Gomes (RJ). Cesar Augusto de Carvalho (SP), Eric Collette (FRA/BRA), Joaquim Branco (MG) e Marco Alexandre de Oliveira (EUA/BRA), o Gringo Carioca, a programação contará ainda c/ a projeção do video-livro “Convergências” de Tchello d’Barros, mediador e curador do ciclo de mesas-redondas sobre Poesia Visual. O evento acontece no Estande de Niterói, sob a Coordenação de Promoção da Leitura (SEMECT/FME).
...................................................................................................................
SERVIÇO
Evento: 14ª Mesa-redonda ‘‘Poesia Visual Contemporânea’’
Data: 08.Set.2019 – Domingo
Horário: 18:30 h –
Local: Estande 70C – Pavilhão Laranja no RIO CENTRO
Av. Salvador Allende, 6.555 - Barra da Tijuca. Rio de Janeiro, RJ
Palestrantes: Artur Gomes, Cezar Augusto de Carvalho, Eric Collette,
Joaquim Branco e Marco Alexandre de Oliveira
Curadoria e Mediação: Tchello d’Barros
Realização: Coordenação de Promoção da Leitura (SEMECT/FME)
Ingresso: no site da Bienal do Livro www.bienaldolivro.com.br
...................................................................................................................

SOBRE AS MESAS REDONDAS DE POESIA VISUAL

As mesas-redondas do ciclo “Poesia Visual Contemporânea”, sob curadorias de Tchello d’Barros, contam com participação principalmente de autores mas também de editores, curadores, gestores culturais, professores universitários, críticos literários, pesquisadores, enfim de pessoas que de alguma forma tem contribuído para o desenvolvimento desta linguagem no Brasil. Foram homenageados os poetas visuais Almandrade, Fátima Queiroz, Hugo Pontes, Joaquim Branco, Ronaldo Werneck, Phyladelpho Menezes (I. M.) e Wladimir Dias-Pino (I. M.) e Regina Pouchain. As mesas-redondas já foram realizadas em instituições culturais como: Museu da Imagem e do Som – MISA (Maceió, AL); Congresso Brasileiro de Poesia (Bento Gonçalves, RS); Fundação Cultural de Blumenau – FCB (Blumenau, SC); IFPA (Belém, PA); Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB Rio, Centro Cultural Justiça Federal - CCJF (Rio de Janeiro, RJ); Fundação Cultural Gregório de Matos (Salvador, BA) e nas universidades UFRJ, FACHA, Unicarioca (Rio de Janeiro, RJ), Biblioteca Pública Estadual (Belo Horizonte, RJ), entre outras, por enquanto. Sem patrocínio, esse conjunto de ações tem na Internet seus desdobramentos com obras, textos e fotos no Facebook, via comunidade internacional Museu da Poesia Visual | Visual Poetry Museum.

DEPOIMENTO

De acordo com o escritor e artista visual Tchello d’Barros, que além deste projeto, realizou também as curadorias nacionais e internacionais de Poesia Visual “Visagens”, “Miragens”, “Mirações” e “Imagética”, os encontros visam “discutir os possíveis caminhos deste segmento na atualidade, bem como situar essa produção geralmente experimental, numa era onde somos cotidianamente expostos por turbilhões de imagens da indústria cultural em nossa sociedade de massa. O poema visual, sendo um sobrevivente de nossa turbulenta passagem para a pós-modernidade, abriu seu espaço na era digital, cruzou a linha do novo milênio e chegou aos nossos dias reinventando-se sempre mais, transgressor, crítico e político. E não veio apenas para ficar, mas para ampliar seu arco temático, seja pela crítica mordaz nas abordagens dos grandes temas da humanidade, desde tensões geopolíticas, desníveis socioeconômicos, as relações humanas, até aspectos inusitados do cotidiano. Num período onde a Poesia Visual já consolida seu legado em livros didáticos e conquista espaço em ementas de cursos de Literatura, pesquisas acadêmicas e até mesmo no colecionismo do mercado de arte, estes encontros partem do princípio de que realizar exposições, produzir publicações e provocar discussões podem também ser formas de oportunizar mais opções de acesso à Poesia Visual, seja para quem quer alimentar esse sistema com suas criações, seja apenas para quem deseja fruir da do fenômeno poético em todas as suas vertentes.”

CONTATO - Tchello d’Barros – Curador do Ciclo de Mesas-Redondas
(21) 9 8354 1978
tchellodbarros@yahoo.com.br
Rio de Janeiro (RJ)






8/26/2019

APRESENTAÇÃO DO LIVRO "REFUGIADOS", DE JOAQUIM BRANCO


O POETA, ESSE REFUGIADO

Ronaldo Werneck

“De frio e fome/ cobertos apenas pela chuva/ eles morrem às dezenas,/ vindos do país do nada/ para o nada caminhando” – escreve Joaquim Branco na abertura de seu poema “Refugiados”, que dá título a esse novo e belo livro do poeta cataguasense. Não foi à toa que Platão expulsou os poetas da República, deixou-os fora do Banquete. Quando conscientes, poetas são perigosos. Poetas apontam o caos do cotidiano. Poetas são refugiados do sistema. Poetas são refugiados até mesmo da literatura.
E refugiados podem um dia insurgir, recusar, rebelar-se contra as injustiças: “Caminham em paralelas/para o infinito ou para a morte/sobre os trilhos que os libertem/da difícil batalha contra a sorte”. Exatamente como fazem os poetas da recusa, antenados com o mundo à sua volta. Não só com poemas participantes, de protesto, como com aqueles outros, os poemas visionários, antecipadores, que vão de encontro à arte tradicional. Nada mais são que também refugiados esses poetas que fabricam seus poemas de recusa.
“Braço que acusa o acaso”, escreveu Augusto de Campos em sua elegia para o poeta Mário Faustino, o ´aeromorto´. O mesmo Augusto que nos diz em seu livro “Poesia da Recusa” (Ed. Perspectiva, 2006): “Em defesa de Mallarmé, afirmou Valéry, certa vez, que o trabalho severo, em literatura, se manifesta e se opera por meio de recusas. A melhor poesia que se praticou em nosso tempo passou por esse crivo. Da recusa estética (Mallarmé) à recusa ética (Tzvietáieva), se é que ambas não estão confundidas numa só, essa poesia, baluarte contra o fácil”.
E Augusto se estende em seu rol de recusas: “A maioria das pessoas quer o consolo do entretenimento, arte fácil e descartável para descansar a cabeça, ‘esquecer da vida’, e não para problematizar-se. O que quer, afinal, Mallarmé, com tantos enigmas? Conhecer-se. Romper os limites da linguagem para compreender e exprimir melhor as angústias humanas diante do enigma supremo da vida e da morte. Revitalizar a própria linguagem, dando-lhe um sentido mais puro”.
Exatamente o que quis e quer Joaquim Branco em seus longos anos de ofício literário. Nós nos conhecemos – melhor, nos aproximamos e começamos a trocar ideias e dar início à fabricação de nossos projetos literários – lá nos longes de uma Cataguases dos anos 1960. Uma amizade que se solidifica a cada minuto, que é também (evoé, Cassiano Ricardo!) “um século XX”, já devidamente extrapolada para este século XXI.
E conhecer o homem, o amigo Joaquim Branco, é conhecer um ser em toda a sua dignidade, um intelectual íntegro, é saber das “recusas” representadas por seus trabalhos – da qualidade, da coerência de sua obra que se perpetua em sua já longa trajetória. É saber de suas incursões pelos vários movimentos que foram surgindo – concretismo, práxis, poema processo, poema postal, poema visual – que demonstraram o poeta atento ao seu tempo.
E essa “curiosidade” – impressa na produção de poemas que remetem a esses movimentos,como os que se encontram em seu novo livro, com suas artesanias & artimanhas de expressiva visualidade – me faz lembrar as investidas do citado Cassiano: exatamente como o Joaquim de hoje, um poeta já de “longo curso”, que também participou ativamente dos movimentos da poesia concreta e da poesia práxis, antes de criar os seus linossignos.
“Refugiados”revela novíssimos poemas, grande parte escritos em 2017, e traz uma bela capa idealizada pela filha do poeta, Natália Tinoco – que imprimiu ótimo tratamento na foto dos refugiados, alguma coisa meio “flou”, impressionante, como se suas almas pairassem sobre eles. O livro demonstra mais uma vez a vitalidade de Joaquim Branco – a quase magia de perpassar pelos vários momentos atravessados pela vanguarda nas últimas décadas sem perder a autenticidade, sem se deixar levar por aqueles falsos criadores de meras cópias, de simples pastiches.
Esses poemas, como sempre tonificados por instigantes pedras-de-toque, têm sua marca, sua assinatura, essa dicção própria e sempre inovadora que há muito tempo me fascina. Às vezes seus versos brancos e livres podem nos lembrar alguma coisa dos primórdios do modernismo, mas logo percebemos terem a chancela inconfundível dos versos “branco Joaquim”, articulados por harmônicos enjambements.
Em 1939, ao perder seu grande amigo, o poeta inglês W.H. Auden escreveu Funeral Blues, uma das mais belas elegias de todos os tempos, que ficou mais conhecida pelo filme “Quatro Casamentos e um Funeral”. Na ótima tradução de Nelson Ascher, transcrevo os dois derradeiros quartetos, e logo digo o porquê: “Era meu norte, sul, meu leste, oeste, enquanto/viveu, meus dias úteis, meu fim-de-semana,/ meu meio-dia, meia-noite, fala e canto;/ quem julgue o amor eterno, como eu fiz, se engana.// É hora de apagar estrelas — são molestas —/guardar a lua, desmontar o sol brilhante,/de despejar o mar, jogar fora as florestas,/pois nada mais há de dar certo doravante”.
E agora sim, o porquê da citação de Funeral Blues: em 2014, Joaquim Branco perde sua esposa e logo escreve uma também pungente elegia, “Folhas Caídas”, que se encontra nesse livro “Refugiados”. Ele parte da canção popular “Se essa rua fosse minha”, mas inverte o sentido satírico, parodístico, produzindo versos de extrema delicadeza, de intensa comoção. Um poema pautado pela perda, mas que não acena para “apagar estrelas” como o de Auden – antes sinaliza para o súbito acender de uma nova estrela, pelo ascender da amada que partiu. Termino com esse tocante poema de Joaquim Branco para Sonia Regina, comovido como da primeira vez que o li:

FOLHAS CAÍDAS
Na via-crucis desta rua
mora um anjo que se chama Sonidão.
Se eu pudesse eu mandava ladrilhar
seus passos para que ficassem
na terra que os viu passar.

Na via-láctea do sonho, uma estrela
no céu da tarde se fez
além de Órion
e vai brilhar pela primeira vez
no voo orbital do Sol.

Na via-férrea deste outono
– entre folhas caídas –
uma entre mil outras renasce,
como se o céu se abrisse
para não deixá-la cair
(injustamente)
para sempre
na impossibilidade
do não-ser.



(09.08.17)




7/21/2019

CIRCO DE HORRORES - DEFINIÇÕES PARA AÇÕES INTEMPESTIVAS



CIRCO DE HORRORES
DEFINIÇÕES PARA AÇÕES INTEMPESTIVAS

Joaquim Branco

Uma montanha de besteiras
Um caminhão de asneiras
Um monte de bobeiras

Um saco de burrices
Um trem de asnices
Uma tonelada de sandices

Um tratado de horrores
Uma colcha de temores
Um atestado de bolores

19-07-2019

7/15/2019

UM DISCURSO ATRAVÉS DOS TEMPOS




(Imagem de anarquista.net)


Receber um livro de presente é um fato por demais agradável. Pois foi o que os Correios trouxeram para mim enviado pela professora Maria Inez Caixeta. Uma surpresa e tanto, pois não conhecia o autor deste pequeno volume intitulado “Discurso da servidão voluntária” (São Paulo: Editora Martin Claret, edição bilingue, 2009). O francês Étionne de la Boétie o escreveu aos 18 anos, em pleno século XVI, no Renascimento, portanto o livro me chega como leitor com mais de quatro séculos de atraso.
Mas importa mais a atualidade de seu tema e a felicidade de sua abordagem feita numa linguagem fluida e acessível como não é tão comum aos livros de filosofia. O livro fala da liberdade, dos tiranos e da servidão e especialmente dos segredos de como se realiza a aceitação de se ser um servo, e mais do que isso de como se pode resistir a essa opressão, sem o uso da violência.
Contemporâneo de Montaigne e seu grande amigo, La Boétie participou do movimento Humanista do Quinhentismo, como Erasmo de Roterdã, Maquiavel e Thomas More. Nasceu em 1513, na França, de família rica e teve seus estudos superiores na Universidade de Orleãs.
Nas suas primeiras páginas, o discurso de Boétie se espanta de como “um milhão de homens” se rendem a um jugo, “enfeitiçado somente pelo nome de quem não deveriam temer, pois ele é um só, nem amar, pois é desumano e cruel com todos” (p. 24)
E em algumas páginas à frente: “Não é preciso nem derrubar esse tirano. Ele se destrói sozinho, se o país não consentir com sua servidão”. (p. 28) Mas como fazer isso?, pode-se perguntar, e o autor responde: “...basta não lhes dar nada e não lhes obedecer, sem combatê-los ou atacá-los, e eles ficam nus e são derrotados, e não são mais nada, assim como o ramo que, não tendo mais sumo nem alimento em sua raiz, seca e morre.” (p. 29)
La Boétie, a seguir, faz a apologia da liberdade e afirma que, com a sua perda, “todos os males sobrevêm e sem ela todos outros bens, corrompidos pela servidão, perdem inteiramente o gosto e o sabor”. (p. 29)
Aquele que nos oprime, no fundo, se assemelha a nós, diferindo apenas pelos meios que nós mesmos lhe conferimos para nos escravizar”. E acrescenta: “Como se atrevem a atacar-vos, se não tivesse vossa conivência.” (p. 30)
Divide os tiranos em três categorias: os que ascendem pelo voto, pela força das armas ou pela hereditariedade. Os primeiros veem o povo como touros, que precisam ser domados; os segundos como presas; e os sucessores dos tronos, como escravos.
O autor chega enfim ao centro de sua tese: o hábito como razão da servidão voluntária. O exemplo dos cavalos é ilustrativo. Quando “amansados”, a princípio se revoltam, mordem os freios, mas aos poucos aceitam passivamente os arreios e a montaria. Os homens de certo modo são parecidos, pensam que devem aguentar o sofrimento, mas alguns não se conformam e anseiam pela liberdade.
Por outro lado, “o povo ignorante [...] entrega-se com paixão ao prazer que não pode receber honestamente e é insensível à dor que não pode suportar sem se aviltar”. (p. 48). E todos os meios utilizados para manter a população dominada “só é utilizada por eles [os tiranos] entre o povo miúdo e grosseiro”. (p. 53)
Vale transcrever as palavras quase finais do livro: “Certamente o tirano nunca ama e nunca é amado. A amizade é um sentimento sagrado, uma coisa santa. Só existe entre pessoas de bem. [...] Quando os maus se reúnem há uma conspiração, não uma sociedade. Não se amam, mas se temem. Não são amigos, mas cúmplices.” (p. 61)

(15-07-2019)





5/01/2019

NO DIA DO TRABALHO







DIA DO TRABALHO

Joaquim Branco

No dia do trabalhador
um trabalho a menos
todo dia na nota diária
do seu perseguidor.

Menor é a dor
de quem não passa jamais
pela rota viária de seu torturador
ou de quem vai às ruas
à espera de cruas benesses
ou de melhores dias que demoram
ou não vêm mais.

Havia um porvir e um por-ser
cortados na raiz dos seres
abominados por arcaicos líderes
que não passam de pífios
homens do mal de cérebros vazios.

Clamar por justiça? Não há como.
A voracidade dos ventos nas janelas
deixou-nos atônitos, sem chance,
sem vingança ou ânsia de um levante
antes que anoiteça inexoravelmente
sobre nossas cabeças, que são hoje
sepulcros cansados, calados.

01-05-2019

(A imagem acima é de um poema visual cujo autor não colocou o nome, o que tornou difícil sua identificação)

3/12/2019

EXPOSIÇÃO NA ARGENTINA - 2019


EXPÔ UNIVERS NUEVO - 2019 - Argentina


Este é o conjunto de trabalhos que enviarei para a exposição.

Rosario, 4 de marzo de 2019.
Señor Joaquim BRANCO
Ref.: Proyecto UNI/vers Nuevo

Estimado artista-poeta visual:
La que suscribe, por la presente, se dirige a usted para saludarlo y presentarse. Soy la Coordinadora Internacional por América Latina del Proyecto UNI/vers Nuevo, 2da. edición, 2019, que pronto se publicará en Alemania. Probablemente sabe que lo inició el artista-editor chileno Guillermo Deisler.
Le expongo, en síntesis, la razón primordial por la cual le escribo: debo seleccionar 25 artistas latinoamericanos para la publicación anual. Bien sabemos que en la historiografía estética de un país siempre existen zonas opacas o invisibles, con artistas marginados o silenciados por cuestiones políticas o culturales oficiales. Algo similar acontece en un continente. Debo confesarle que desconozco varios de los grupos regionales brasileños y sus experiencias poéticas actuales. Supe por Tchello d´Barros que usted es artista, poeta, teórico e investigador; un pilar fundamental de la escena local e internacional. La presente edición pretende que el movimiento de la Poesía Visual Latinoamericana gane forma, cuerpo, interacción, espacio y difusión.
Pues bien. Nos complacería que aceptara la invitación cordial y fuera uno de los seis representantes de Brasil. Por tanto, si le interesa la propuesta, le agradecería me confirme su participación lo antes posible por vía email (*). Le adjunto, también, archivo en PDF con las especificaciones pertinentes.

Lo saluda afectuosamente,
Lic. María Angélica Carter Morales
E-mail: rosangelux3@gmail.com

NOTA:
(*) Adjuntar los siguientes datos personales, al pie de su confirmación:
Nombres y Apellidos, completos
Dirección postal
E-mail
Celular o Teléfono
Sitio web
Otros