6/06/2015

Grupo Totem - Literatura de Cataguases 1960/70



O Grupo de literatura denominado Totem iniciou suas atividades em Cataguases em 1961, através do jornal O Muro, do qual saíram 11 números.
Houve pequeno interesse público sobre o jornal, pois ali apareciam trabalhos ligados às vanguardas da época.
Eram textos da mesma linha da Poesia Concreta, movimento que se iniciara poucos anos antes.em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Os principais participantes desse jornal eram: Ronaldo Werneck, Carlos Sérgio Bittencourt, Joaquim e Aquiles Branco, P. J. Ribeiro e Plínio Guilherme Filho.
A segunda fase veio em 1968 com a edição do “SLD – Suplemento Literatura Difusão”, que saía como suplemento do jornal Cataguases, e que foi lançado junto com a I Exposição de Poesia Concreta de Cataguases.
Aos integrantes anteriores, juntaram-se outros: Sebastião Carvalho, Ivan Rocha, Adolfo Paulino, Dayse Lacerda, Fernando Abritta, José Lucas Ferraz, Lecy Delfim Vieira e Arabela Amarante.
O SLD teve 9 números, o último em 1969. Nesse ano, a equipe organizou o I Festival de Música Popular de Cataguases. No ano seguinte, foi alterado o nome para FAC - Festival Audiovisual de Cataguases, englobando música popular e poesia de vanguarda.
A terceira fase surgiu em 1975 com o jornal Totem, editado inicialmente no Centro Acadêmico Francisco Inácio Peixoto, da FIC, e dirigido por Joaquim Branco, Márcia Carrano e P. J. Ribeiro. Aos participantes iniciais do grupo, juntou-se Márcia Carrano.
Nessa fase foi grande a influência do Poema-Processo e da Arte Postal, permitindo ao grupo participar de muitas exposições de poemas no Brasil e no exterior.


Na entrada do Colégio Cataguases.





Fernando Abritta, integrante do jornal em vários números.








No aniversário de 70 anos de Francisco Inácio em sua residência (1979) e lançamento de um dos números do suplemento "Totem".





1º número do suplemento Totem em forma de jornal.


1º FAC - Festival Audiovisual de Cataguases, vanguarda musical poética na região.



Lecy Delfim Vieira, participante do grupo.







Cidade partida, de P.J.Ribeiro


Tio Sam, John, Son & Co., de Ronaldo Werneck.


Musa 1, de Fernando Abritta.




Teagonia - Plínio Guilherme Filho.











Fragmento do livro de minipoemas "Vento Leve",
de Márcia Carrano:

todas as mortes
me pesam
num dia qualquer
sem aviso.
(p. 47)






Nenhum comentário: