3/29/2007

FRICÇÕES TEXTUAIS

O LENHADOR DA FLORESTA

Joaquim Branco


Krung levantou mais cedo que de costume, pegou o machado e rumou para a floresta. Na caminhada lembrou-se de que tivera um pesadelo com o Cedro Central durante toda a noite.

O Cedro era uma árvore gigante cujo tronco desafiava os lenhadores da região. Diziam ser uma árvore de épocas imemoriais, devido ao seu tamanho incomum. Aos olhos que o viram em muitos anos, impressionara a todos.

Mas Krung nunca recuara diante de um obstáculo. Então, olhou para a árvore e, como se medisse cara a cara um contendor, começou o trabalho.

As primeiras machadadas, o tronco aceitou bem. Depois foram tantas e tão fortes que os ouvidos de quem passasse não poderiam distinguir o que era ímpeto do que se tornara cansaço do lenhador. Lascas de madeira passavam rentes ao corpo de Krung, batendo em seu rosto ou cravando-lhe na pele.

Na dificuldade de conseguir algum resultado, Krung foi ficando na floresta. Aos poucos, as fendas que abria na árvore não o animavam mais. Eram feridas que apareciam, porém, cicatrizadas na manhã seguinte.

Ao fim de cada dia de trabalho, encostava o machado, comia alguns frutos pendentes de árvores e dormia. Um sono cheio de folhas secas e ventos, quando muito um barulhento bater de asas desconhecidas.

Finalmente um dia Krung resolveu medir a espessura do magnífico tronco. Arrancou uma boa quantidade de cipó das árvores vizinhas e começou a caminhar em volta do Cedro, envolvendo-o com o cipó.

Nos primeiros três dias ficou apreensivo para chegar ao ponto de onde saíra. Mas a caminhada foi se tornando longa demais. Eram semanas e meses andando em círculo, e naquela altura do seu trabalho Krung acabou esquecendo o que estivera fazendo ali.
Só se lembrava agora de seu nome: Krun ou Krr. E também de outra coisa: de que um dia fora o lenhador número 1 de toda a floresta.

5 comentários:

Felipe Fritiz disse...

Sonho/pesadelo kafkiano (A Metamorfose?); nome de sonoridade forte (que lembra até algo alemão mesmo, o "Drang" = Ímpeto, do Sturm und Drang pré-romântico): personalidade forte; a derrubada da árvore se torna uma obsessão ou mesmo uma “utopia” de Krung, que termina por se identificar com a floresta ou o meio e se torna parte dela(e), e quando tenta medi-la (a árvore), vai perdendo a noção de si mesmo, tão entregue ao trabalho; lembra mesmo o trabalho dos “grandes”, que acabam por se esquecer de si mesmos, ante a importância do que fazem. Vide Che Guevara.

Ótimo conto, Joaquim! Adorei!

Felipe Fritiz disse...

espero não ter falado asneiras! Abraço!

Anônimo disse...

Oi Joaquim,

Passando e conferindo as novidades. Excelente o conto. Belas fotos / atividades.

Um grande abc,
Ricardo Alfaya

Roberto disse...

Este conto(O lenhador da floresta), me fez pensar em minha vida. Ando vivendo como Krung,absorto nas horas que passam, o tempo que urge áspero...
As ferpas das minhas obrigações perante o mundo parecem me ferir ralmemente a face. Esqueço às vezes até de mim. Estou prestes a escrever um conto sobre quem realmente somos nesse bonde desgovernado. Breve enviarei.

Seu conto éstá ótimo.Muito, muito bom mesmo caro Joaquim!!

luciano de andrade disse...

uai, sô joaquim.
surpresa e admiração é o que estou sentindo ao constatar que o senhor também é fera na prosa de ficção.
tem mais?