1/30/2011

HORAS LÍQUIDAS



O que são horas diluídas?
São horas que se poetizaram no espaço
e apenas marcaram momentos fluidos?

Por quem foram vividas
e onde se perderam
para se depositar líquidas
em relógios borrados de páginas
de tempo?

Memória? Vento? Razão?
Quem então soube dessas horas
diluídas em esparsas gotas
geridas na memória
perdidas em frestas
nas desoras e vãos da História?

Um texto-hora grava frações
eternas que entristecem auroras
ou alegram umbrais
para deixar na hora-texto
apenas um sopro de vento,
um movimento para o ponteiro
dos segundos cravar no último minuto
do mundo.

(28.07.2010)

3 comentários:

Regina disse...

jOAQUIM,

Gostei muito das suas Horas Líquidas.
Um grande abraço,

Regina e Wlademir

Roberto Júlio disse...

Muito bom o poema, a última estrofe então, esculacha gostosamente.

Júlio César O. Souza disse...

Show de bola esse poema! Lembrei-me das horas líquidas em aulas de literatura brasileira, apesar de elas tranformarem-se em "horas gasosas" em provas... he, he,he parabéns Joaquim, sou seu Fã.